Buscar
  • Dr. Diogo Pazello

Tratamento de varizes com espuma

Aplicação de espuma para o tratamento de varizes (Polidocanol).



O que é a aplicação de espuma?

Espuma é formada a partir de uma substância líquida com efeito tipo de detergente chamada polidocanol. Esse líquido quando misturado com oxigênio, assume a consistência de espuma. Essa espuma quando aplicada no interior do vaso, causa uma pequena reação inflamatória localizada que por sua vez causa o espasmo da veia e fibrose (esclerose da veia) que é reabsorvida pelo organismo.

Quando comparada a aplicação de glicose, o polidocanol tem maior potência e por isso pode ser aplicado em vasos de maior calibre (veias maiores).


Quando a espuma deve ser utilizada?

Quando surgiu esse tratamento, muitos médicos vasculares pensaram que seria a solução definitiva e que a espuma iria substituir por completo a cirurgia tradicional de varizes, mas não foi o que aconteceu. Realmente esse tratamento pode ser utilizado com eficiência em todo tipo de veia, desde a mais fina (varicoses –telangiectasias) até nas varizes mais calibrosas e na própria safena.

Entretanto, quanto maior o calibre ou mais próximo o vaso (veia) da superfície da pele, maior a probabilidade de manchas na pele, uma complicação indesejada quando se trata de um procedimento estético.

Portanto a decisão de qual técnica a ser utilizada deve ser avaliada em conjunto pelo seu médico vascular e o paciente, baseando-se na finalidade do tratamento, nas condições clínicas do paciente e no tipo de veia a ser tratada.

Onde é realizado o tratamento?



O tratamento com espuma de polidocanol é realizado no próprio consultório, não há necessidade de internação hospitalar. Bastante similar a uma sessão de aplicação convencional, durando cerca de 20-30 minutos de procedimento.

Como é o tratamento?

Primeiro é realizada uma avaliação clínica, onde o Cirurgião Vascular decide qual a concentração da espuma a ser utilizada nos vasos a serem tratados. Após a manipulação e dosagem do polidocanol é realizada a punção da veia e injetada a espuma. Para as veias mais finas, a aplicação é acompanhada em tempo real por um fleboscópio de luz infravermelha, já em veias mais calibrosas ou na safena é necessário Ultrassom Doppler.


Após o termino do procedimento, nos casos mais simples, é feito somente um curativo sobre o local da aplicação e a paciente pode retornar às sua atividades rotineiras. Nos casos de varizes mais calibrosas ou no tratamento da safena é necessária a utilização de um curativo compressivo sobre o trajeto venoso tratado e a colocação imediata da meia elástica, podendo retornar às atividades rotineiras (mas sem exercício físico) após o procedimento. Exercício fica liberado no dia seguinte a aplicação.

Em veias mais calibrosas é comum de 2 a 3 sessões de aplicação para o tratamento completo das varizes.

Como todo procedimento médico, a escleroterapia com espuma deve sempre ser indicada pelo Cirurgião Vascular. Apesar de parecer um procedimento simples, e realizado no próprio consultório médico, a técnica não é isenta de complicações e, por isso, a indicação do tratamento, seus riscos e benefícios devem ser discutidos entre o profissional e o paciente, visando atender, da melhor maneira, às necessidades de cada pessoa.



Dr. Diogo Pazello

Especialista em Cirurgia Vascular e Endovascular pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV)

©  2020 Clínica e Cirurgia Vascular criado por Grupo Lloret

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon